Dia Mundial da Rádio

5 Fevereiro, 2020

O projeto AUDIRE junta-se à Antena 1, ao CECS e ao Grupo de Trabalho de Rádio e Meios Sonoros da Sopcom para assinalar o Dia Mundial da Rádio com uma emissão especial do programa Antena Aberta, em direto do campus de Gualtar da Universidade do Minho. No dia 13 de fevereiro, entre as 11h00 e as 12h00, os microfones da rádio pública vão dar voz aos estudantes e à comunidade académica.

Sendo 2020 o Ano Internacional do Som, a proposta desta emissão especial, conduzida pelo jornalista António Jorge, é promover o debate sobre a relevância da comunicação sonora. Que importância tem o que ouvimos? Como pode o som representar a diversidade? Que lugar tem a rádio nas nossas vidas? Estamos ou não a perder a capacidade de escutar? Estas são algumas questões que abrem a antena, a partir do Auditório B1 do CP2 à academia minhota. A entrada é livre.

O Dia Mundial da Rádio foi criado pela Unesco, em 2011. Este ano, a diversidade é o tema que assinala a data.

Peças sonoras

29 Agosto, 2019

Bragafonia…

No Dia Mundial da Escuta de 2019, no jardim da livraria Centésima Página em Braga, a investigadora Laura Romero realizou uma acção sonora onde uma tenda de campismo foi convertida num pequeno e íntimo estúdio de gravação. Pessoas que estavam na livraria foram convidadas a participar. Cada pessoa, deitada dentro da tenda, experimentou o seu próprio momento de escuta e de gravação. Ao redor, vários frascos continham papéis com poemas e perguntas sobre as memórias, os sons e os espaços. O resultado é uma peça polifónica e íntima que retrata a cidade de Braga e a região do Minho, ao mesmo tempo que retrata algumas memórias, histórias e sensibilidades das pessoas que convivem neste espaço.

A peça contém algumas gravações binaurais e por tanto recomenda-se ouvir com auscultadores para uma melhor experiência de escuta.

Bragafonia é uma criação sonora de Laura Romero, com o apoio da Livraria Centésima Pàgina e o Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho. Esta peça foi desenvolvida no âmbito do projeto “Audire: guardar memórias sonoras”, durante julho e agosto de 2019. Os agradecimentos pelo apoio e a participaçao são infinitos: Helena Gomes, Adriano Ferreira, Francisca Martins, Sofia Saldanha, Madalena Oliveira, Alberto Sá, Pedro Portela, Ricardina Magalhaes, Alice Dutra, Cristina dos Santos, Luis Camanho, Alberto Fernandes, e todas as pessoas anónimas que partilharam as suas memórias.